Homenagens

Contribuição de Pessoas no Judô Paraense


HOMENAGEM DA FPAJU

Dia 14 de Setembro de 2019 – Homenagem ao judoca Antonio Braga

TROFÉU ANTONIO BRAGA


– EM 27 OUT 18 (SÁBADO) –

TORNEIO ANIVERSÁRIO – TROFEU UADIH CHARONE
Fundador e Primeiro Presidente da FPAJU – UADIH CHARONE

Militar, professor, maçom, abnegado, pioneiro e pai. Muitos atributos para honrar a memória de um homem, mas é justamente como um “paizão” que muitos se lembram do Tenente Uadih Charone, pessoa disposta a ousar, ajudar, ouvir e colaborar. Possuidor de uma capacidade de se envolver com sucesso nas diversas esferas sociais, como no âmbito educacional e militar, por exemplo, foi motivado pelo filho Wady Charone Júnior e por Antônio Braga, fundou a FPAJU – Federação Paraense de Judô em 02 Dez 1974, reunião inaugural realizada na sede do Lions Clube de Belém, situado na rua 13 de Maio, 8º andar do edifício Barão de Belém, cidade Velha, publicado no Jornal Província do Par& aacute;, edição de 3 Dez 1974, posteriormente publicado no Diário Oficial do Estado número 22.950, em 25 Jan 1975, registrado no Cartório do Registro Especial de Títulos e Documentos – 1º Oficio, número ordem 89.679, protocolo Livro A, número 4, em 19 Fev 1975, presidiu a FPAJU no período de 02 Dez 1974 a 02 Dez 1982 e como pedra fundamental ajudou a solidificar as fundações do Caminho Suave em nosso estado, “tornando realidade o sonho dos desportistas amantes do Judô que assim concretizou a idéia muito desejada” diz UADIH CHARONE, um verdadeiro faixa preta da arte da vida!

Filho do comerciante libanês naturalizado brasileiro Aly Charone e de Francisca Accioly Charone, nasceu em 19 de fevereiro de 1928 em Belém do Pará.

Estudou os cursos primário e ginasial no Colégio Moderno e, posteriormente, no Colégio Estadual Paes de Carvalho fazendo o pré-politécnico, conjuntamente com o curso de Contador pela Escola Prática de Comércio, onde se formou. Fez o Curso Preparatório de Oficiais da Reserva-CPOR, graduando-se em 2°-Tenente do Exército Brasileiro -R/2. Convidado pelo capitão Janary Gentil Nunes, Governador do recém-criado Território do Amapá, foi admitido em 1946 no cargo de escriturário, ficando à disposição dos Serviços Gerais. De 1946 a 1951 exerceu atividades administrativas, colaborou na implantação de setores para a aceleração do desenvolvimento da área. Em 1952 foi nomeado Subcomandante da Guarda Territorial, vinculada à Divisâo de Segurança e Guarda; Comandante da Corporaçâo em 1961, acumulou com a nomeação de Diretor da Divisão de Segurança e Guarda; respondeu pelo cargo de Diretor da Divisão de Educação; nomeado Diretor do Serviço de Geografia e Estatística; colocado à disposição da Prefeitura de Macapá, assumiu a Secretaria de Administração e respondeu pelo cargo de Prefeito; exerceu o cargo de Diretor do Tiro de Guerra 130 do qual foi também instrutor; participou da fundação da Escola Comercial do Amapá, mantida pela Associação Comercial do Amapá, onde foi professor e Diretor; fundou o curso de admissão mantido pela Loja Maçônica “Duque de Caxias”; participou da fundação da Loja Maçônica, s endo eleito Venerável Mestre por três períodos; foi Presidente do Amapá Clube em vários períodos; Presidente da Federação Amapaense de Desportos; respondeu diversas vezes pelo cargo de governador, nas ausências dos titulares; organizou e comandou toda as paradas militares, em comemoração ao “Dia da Pátria” e os desfiles escolares do aniversário do Território nos dias 13 de setembro, de 1948 a 1962; foi Presidente do Conselho de Trânsito. Estagiou na Polícia Militar do Rio de Janeiro e os conhecimentos adquiridos foram aplicados no Amapá, os quais foram: instalação de Postos Policiais nos bairros e localidades do interior; criação da cavalaria da Guarda Territorial; reestruturou a Fortaleza de São José e instalou o Quartel da Guarda Territorial. Designado, destacou-se durante a missão de ocupaç&at ilde;o do navio “Anzoategui”, de nacionalidade venezuelana, no dia 19 de fevereiro de 1963, que se encontrava em águas brasileiras, em mãos de jovens revoltosos daquele país. Designado. representou o governo do Amapá junto ao governo de Caiena para tratar sobre a prisão irregular de brasileiros, recebendo elogios do Governador francês.

Participou com destaque na administração dos Governadores Janary Gentil Nunes, Teodoro Arthur, Amílcar Pereira, Pauxy Nunes, José Francisco de Moura Cavalcante, Mári Barbosa e Raul Montero Waldez.

Transferiu-se para Belém, no ano de 1964, com sua esposa Maria Suzete Pinheiro Charone e seus 5 filhos amapaenses: o médico Ricardo Augusto(falecido), o comerciante José Roberto(falecido), o professor Carlos Alberto, o engenheiro Wady Charone e a professora e cantora Leila Selma.

Residiu com a família na capital paraense, até fazer sua passagem em 26 de abril de 2016, aos 90 anos de idade, teve seu corpo cremado conforme pedido à sua segunda esposa e as suas cinzas espalhadas no pátio central da Fortaleza São José, em Macapá

Sensei Coelho,

HISTÓRICO DO PROFESSOR COELHO.

RAIMUNDO RODRIGUES COELHO, mais conhecido como professor Coelho, nasceu em Belém do Pará em 29 de setembro de 1937.

Aos 18 anos entrou para o corpo de Fuzileiros Navais, onde passou a praticar judô com os professores Edson dos Santos Gonçalves e Elmo Vieira, dando início ao brilhante trajeto na arte do “Caminho Suave”.

A partir de então, além de ensinar na Marinha do Brasil em Belém do Pará também ministrou aulas na Marinha no Rio de Janeiro e no Pará Clube, além de experiências internacionais antes de fundar sua própria Associação. Em reconhecimento ao seu trabalho foi homenageado com Honras ao Mérito por esta entidade, em Belém, por sua dedicação ao esporte.

Foi casado com Zuleide Cantão Coelho e deste matrimônio concebeu seus filhos: Cleber, Zilene do Socorro e Jaqueline Mery.

Na família, estendeu seus sábios ensinamentos filosóficos e práticos ao seu filho Cleber – faixa preta, a sua neta Danielle Mery (faixa preta) e ao seu neto Murilo Raimundo (faixa marrom). Todos permanecem em atividade construindo assim a segunda e terceira geração de judocas da família Coelho.

Após 32 anos de serviço ativo na Marinha, foi para a reserva e passou a dedicar-se exclusivamente às aulas de judô e assim foi responsável pela formação de uma considerável quantidade de judocas no Estado do Pará e Brasil.

Trabalhou no Para Clube por 35 anos com carinho e dedicação. Esteve tão envolvido com as atividades esportivas deste clube que mesmo depois de criar sua Associação continuou a ministrar aulas nesta instituição, que fez parte de toda a sua trajetória desde a época de faixa branca até o final de sua vida como faixa preta. Não podemos exatamente falar num final, pois deixou marcas positivas naqueles que por ele passaram, sempre trabalhando com base na verdadeira essência do judô – técnica, didática e filosofia, promovendo assim o aprimoramento tanto esportivo quanto pessoal de seus alunos.

Em 11 de abril de 2002 criou sua própria academia, a “Associação de Judô Sensei Coelho”, situada em Ananindeua; onde sua principal intenção era retirar crianças da rua, dando-lhes a oportunidade da prática esportiva como caminho para o desenvolvimento de cidadãos conscientes e de bom caráter, sendo este mais um espaço formador de professores. Uma escola de judô voltada inteiramente para a ação social.

O primeiro faixa preta formado pela Associação é, ainda nos dias atuais, um de seus colaboradores, o professor Eduardo Teixeira, que assumiu a presidência da entidade, dando seguimento ao trabalho de seu mestre.

O professor Coelho preparava-se para o exame de 6º DAN quando, infelizmente, veio a falecer em Março de 2007, deixando um legado de aprendizagem, respeito e amor pelo esporte. Muitos dos seus alunos passaram a ser mestres, dando assim continuidade a sua missão que tem passado e passará de geração para geração, ternizando, de alguma forma, os seus ensinamentos.

OBS: Informações fornecidas por Cleber Coelho e organizadas por Dione Reis, em Maio de 2018


É com grande pesar que a Federação Paraense de Judô, da nota de falecimento do atleta veterano de matricula JU073572, JOSIVALDO ANDRADE DA SILVA, da Associação Dojo Cláudio Freitas.
Leia abaixo a NOTA DE FALECIMENTO.

NOTA DE FALECIMENTO


Sensei DAVID,

Histórico do Professor DAVID.

David Santos dos Reis, nasceu em 1º de novembro de 1930, na cidade de Borba, interior do Amazonas. Foi para Manaus em 1956 para ingressar na vida militar. Naquele mesmo ano casou-se com a bela Acreana Nazaré.

Foi sargento da polícia militar, onde atuou por 7 anos. E dentro do quartel iniciou sua vida esportiva tendo aulas de halterofilismo com o professor Salim.

Ainda na vida militar foi nomeado delegado em Nova Olinda do Norte, interior do Amazonas. E ficou nesta função durante um ano e meio até ser chamado pela Petrobrás, empresa em que trabalhou até sua aposentadoria.

Em 1965 foi transferido para Belém, onde nasceu sua última filha, compondo assim uma prole de 04 filhos: Ataualpa, Diana, Davis e Dione.

No mesmo ano em que chegou à Belém iniciou sua vida nas artes marciais.

Foi o 3º aluno de judô do prof. Massayoshi Saitô, na Associação Paraense de Judô e Karatê, situada na Av. Pres. Vargas, nº 320, 3º andar (atual prédio da C&A).

Recebeu autorização de seu professor para ministrar aulas de judô em Icoaraci, e a princípio sua intenção era ensinar apenas aos seus filhos.

Com o tempo os amigos de seus filhos e vizinhos se interessaram e o grupo foi se expandindo, passando a ser uma filial da APJK. Assim surge, em 1970, a Associação Icoaraciense de Judô e Karatê.

Posteriormente, estando a APJK sob a gestão do professor Antônio Braga, foi passada legalmente a responsabilidade da Associação para as mãos do professor David , sendo Icoaraci sua nova sede.

Graduou-se como faixa preta de judô – 5º DAN, faixa preta de jiu-jitsu e faixa marrom de karatê. E viveu neste ritmo suave das artes marciais até os últimos momentos quando veio a falecer em 02.06.12.

Em 26.06.17 a APJK completou 47 anos de história em Icoaraci, dos quais 42 anos foram com a plena participação do professor David.

As artes marciais se misturam a sua história de vida pessoal. Contribui para a formação de muitos atletas e professores como é o caso do seu 3º filho, Davis Reis, graduado em educação Física, professor de judô e campeão em muitas competições assim como muitos outros. Seu filho sempre esteve ao seu lado na vida esportiva e dá seguimento as atividades do judô até os dias atuais.

São inúmeras as manifestações de carinho que a família Reis recebe da comunidade, em respeito às contribuições que o professor David deu para a vida de muitas crianças, jovens e adultos que viam em suas palavras um grande incentivo para trilhar bons caminhos, estabelecer objetivos de vida saudáveis, de ética e respeito para com o semelhante. Contribuições/informações de seus filhos (Dione e Davis) e sua esposa (Nazaré). Em 10.09.17.


Sensei COIMBRA,

……EM BREVE.